endometriose

Entenda como a endometriose pode afetar a fertilidade

Movidas pelo desejo da maternidade, diversas mulheres aguardam ansiosamente pelos resultados positivos dos testes de gravidez. E, quando os resultados tardam a aparecer, desesperam-se. Inicia-se, então, uma busca pelos motivos, e muitas delas vão descobrir a endometriose como vilã na hora de engravidar.

Se esse for seu caso, acalme-se, pois a endometriose tem tratamento e não impossibilita o sonho de ser mãe.

Por que a endometriose pode afetar a fertilidade?

Para entender a relação entre a doença e a gravidez, é necessário olhar para o processo da menstruação: momento em que o corpo promove uma limpeza interna do útero, renovando seu endométrio (tecido interno).

Durante essa “faxina”, todas as células deveriam ser expulsas do corpo. Porém, em algumas mulheres, esse processo não acontece de forma efetiva, então os resíduos restantes migram pela corrente sanguínea para órgãos como trompas, ovários e, em casos raros, intestino e bexiga.

Não é possível ter certeza da origem do problema, mas alguns estudos mostram que fatores externos — como toxinas presentes em pesticidas e poluentes industriais e questões internas — e alterações no sistema imunológico contribuem com a enfermidade.

Também se observa que mais de uma mulher da mesma família pode desenvolver a endometriose, enfatizando uma predisposição genética. Ao alojarem-se em outros locais, essas células endometriais continuam a desempenhar suas funções primárias (de sangrar), impedindo o funcionamento adequado do órgão afetado.

Uma vez nas trompas, a endometriose não permite a passagem do óvulo ou espermatozoide, o que impossibilita a fecundação. Na parede do útero, ela impede a fixação do embrião, provocando um aborto espontâneo. Portanto, percebe-se bem a relação entre a endometriose e a fertilidade.

Tratamentos

Diante dos seguintes sintomas, não hesite em procurar por um médico ginecologista:

  • Dor na região pélvica e excesso de fluxo sanguíneo, principalmente em período menstrual;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Cólicas menstruais muito fortes;
  • Dor durante o sexo;
  • Dificuldade para urinar ou evacuar.

Após examinar a paciente, o especialista pode solicitar exames de imagem, como o ultrassom para confirmar a presença da endometriose. Na sequência, será iniciado um tratamento para diminuir dor e inflamação com remédios.

Hormônios serão utilizados na tentativa de estabilizar as funções dos órgãos e reduzir os focos de endometriose. No caso desses medicamentos não funcionarem, há alternativas, como a cirurgia via laparoscopia para extração da doença, em que pequenos cortes permitem a inserção de instrumentos para retirarem os focos de inflamação ou a retirada do sistema reprodutor, caso a paciente não pretenda ter mais filhos.

Outra opção é aproveitar a gestação como tratamento para reduzir a inflamação, podendo-se recorrer a técnicas de fertilização e reprodução assistida para os casos em que a endometriose danificou ou impede a concepção natural.

Com o término da terapia, as condições dos órgãos reprodutores são avaliadas e, se não estiverem comprometidos, pode-se tentar a gravidez normalmente.

Como uma clínica de fertilidade pode ajudar?

Na clínica especializada em fertilização, haverá um tratamento para estimular a ovulação e o aumento da espessura do endométrio para que o embrião consiga se fixar e a gravidez seja concluída. Se for necessário, haverá a indicação da fertilização in vitro.

Cada pessoa tem sua particularidade, e somente o especialista pode definir qual a melhor alternativa para cada caso, por isso é essencial buscar por um profissional, assim que perceber a endometriose.


Confira outras matérias em nosso site sobre Saúde, Moda, Estética e Beleza!
Quem Vê – O seu portal sobre Saúde, Moda, Estética e Beleza!

Deixe o seu comentário