o artista

‘Assim Vivemos’ realiza debate online com o tema ‘A Força da Arte’

08/12/2021
41 Views

Além da exibição de 29 longas, médias e curtas-metragens de 14 países, o Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência promove quatro debates virtuais durante todo o evento. O festival ocorre de forma híbrida, com sessões presenciais na sala de cinema do CCBB SP e online pelo site www.assimvivemos.com.br onde é possível conferir a programação completa.

O primeiro bate-papo da 10ª edição realizada no CCBB SP será nesta quarta-feira, 08/12, às 19h30m. Com o tema “A força da Arte”, o debate será mediado por Lara Pozzobon, idealizadora e curadora do festival, e contará com a presença de Cássia Charrison, artista de improviso e professora de dança, e de Oscar Capucho, ator e bailarino.

Até o final do festival, serão promovidos outros três encontros virtuais com a presença de profissionais ativos nas suas áreas de atuação, sempre com prioridade para a participação de pessoas com deficiência. Ao longo do tempo, os debates do festival se consolidaram como um espaço importante de diálogo e reflexão acerca dos temas relativos às pessoas com deficiência e, consequentemente, a toda a sociedade.

“O artista e a força do pensamento”, de Elder Fraga

O artista e a força do pensamento, reflete a relação entre equilíbrio e desequilíbrio dentro da parcialidade de movimento do dançarino Marcos Abranches. Ele oscila o corpo para despertar do vazio e isolamento causado pelo desequilíbrio. A falta de estética do movimento é sentida pelo abandono e pela rejeição, entendendo que o alívio está no amparo do amor. Investigando movimento do corpo um mundo sem angústia, sem dores, sem desespero. Busca a vida. Encontra na dança o equilíbrio do corpo e o belo da alma.

Cássia Charrison

É professora de dança, artista de improviso e também atua na Saúde Mental no Rio de Janeiro desde 2003 com o sistema dançante, conscientização do Movimento, de Angel Vianna.

Oscar Capucho

É ator e bailarino formado em Teatro pela Universidade Federal de Minas Gerais e integrante da Cia Ananda de Dança Contemporânea.

SESSÕES PRESENCIAIS E VIRTUAIS

A público poderá participar do Assim Vivemos de duas formas: na sala de cinema do CCBB SP ou acessando virtualmente parte da programação. O Centro Cultural está preparado para receber a todos com segurança. Os ingressos devem ser retirados na bilheteria no mesmo dia de exibição.

De 1 a 13 de dezembro o CCBB recebe as sessões presenciais. Já as sessões online serão disponibilizadas aos poucos e ficarão acessíveis até 20 de dezembro. Os filmes brasileiros O Artista e a Força do Pensamento, de Elder Fraga, e Não me esqueci de você, de Rene Lopez, já estão disponíveis no site em https://assimvivemos.com.br/assimvivemos/assistir/

Dia 9, a partir das 10h, é a vez das produções Minha amiga do sanatório, de Zlata Onufrieva, e E elas eram colegas de quarto, de Kylie Walter, do Reino Unido e dos Estados Unidos, respectivamente.

Além de quatro debates online, integram a programação 29 produções de 14 países divididos entre curtas, médias e longas-metragens. A realização é do Centro Cultural do Banco do Brasil, com patrocínio do Banco do Brasil através da Lei de Incentivo à Cultura, e produção da Cinema Falado Produções. O “Assim Vivemos” é o primeiro festival de cinema no Brasil a oferecer acessibilidade para pessoas com deficiência visual (audiodescrição em todas as sessões e catálogos em Braille) e para pessoas com deficiência auditiva (legendas inclusivas nos filmes e interpretação em LIBRAS nos debates). As sedes dos CCBBs são acessíveis para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

Para conferir a programação completa do Assim Vivemos, acesse: www.assimvivemos.com.br

Para download de fotos dos filmes, acesse: Fotos dos filmes AV

Para trailer ou cenas dos filmes do Assim Vivemos Online, acesse: Trailers e cenas

Para seguir nas redes: Facebook: Festival Assim Vivemos e Instagram: @festivalassimvivemos

Sobre o Festival Assim Vivemos

Realizado desde 2003, o Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, conta com o patrocínio do Centro Cultural Banco do Brasil. Evento bienal, promove a reflexão sobre temas como preconceito, invisibilidade social, mobilidade, afeto, superação, autonomia, inclusão e acessibilidade, trazendo para o Brasil o melhor da produção audiovisual mundial sobre o assunto. Entre suas produções estão curtas, médias e longas metragens de diferentes nacionalidades que formam um mosaico diverso, abrangente e rico sobre as questões que envolvem as pessoas deficientes e consequentemente toda a sociedade. Em todas as sessões são disponibilizados recursos de acessibilidade como a audiodescrição e legendas LSE (para surdos e ensurdecidos) e interpretação de LIBRAS.

O Assim Vivemos já se consolidou como um importante espaço de reflexão, já que também promove debates e oficinas sobre temas levantados pelos filmes, onde pessoas com deficiência e profissionais de referência com e sem deficiência se encontram. Com curadoria delicada e cuidadosa, que busca dar o espaço de fala e o protagonismo para as pessoas com deficiência contarem suas histórias, o Festival Assim Vivemos se revela uma experiência que encanta e transforma todos os públicos.

Serviço

Assim Vivemos – 10º Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência

Local: Centro Cultural Banco do Brasil – Cinema

Datas: De 01 a 20 de dezembro de 2021

De 01 a 13/12 – sessões presenciais

De 13 a 20/12 – sessões online de filmes relacionados aos debates e de filmes extras disponibilizados semanalmente

Ingressos: bilheteria do CCBB

Classificação indicativa: livre

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo

Rua Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico, Triângulo SP, São Paulo–SP

Aberto todos os dias, das 9h às 19h, exceto às terças

Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô

Informações: (11) 4297-0600

Estacionamento conveniado: Rua da Consolação, 228 (R$ 14 por seis horas, necessário validar ticket na bilheteria). Uma van faz o traslado gratuito entre o estacionamento e o CCBB. No trajeto de volta, tem parada no Metrô República.

Deixe o seu comentário